sábado, 29 de setembro de 2018

MANEKINEKO


HJ É DIA DO MANEKINEKO 
(gato acenando). 

       Maneki Neko – O Gato da Sorte Japonês é muito especial para os japoneses para atrair sorte, proteção, prosperidade, felicidade e saúde.
       A data de 29 de setembro, foi escolhida pela Associação de Turismo de Seto, cidade localizada na Província de Aichi. Nesta data também acontece o Maneki Neko Matsuri. 
     Durante o festival, centenas de Gatos da Sorte são espalhados por toda a cidade. As crianças, assim como adultos percorrem as ruas com os rostos pintados como o Maneki Neko. Enfim, trata-se de uma festa bem divertida para os moradores da cidade e para os turistas que visitam a região.
     A cidade de Seto também é o lar do Museu do Maneki Neko, onde mais de mil “gatos da sorte” podem ser visto durante todo o ano. Desde 1890, Seto tem sido uma grande fabricante de estátuas do Maneki Neko, além de ser uma das cidades mais antigas na arte da cerâmica, com mais de mil anos de tradição.
      Maneki Neko significa literalmente “gato acenando. A pata levantada seria para atrair sorte e o gato que serviu de inspiração para este amuleto foi o Bobtail Japonês, uma raça rara e muito antiga, sendo a única raça considerada nativa do Japão. Sua maior característica é a cauda curta, entre 10 a 12 cm. 
      É comum vermos estátuas grandes do Maneki Neko na entrada de muitos restaurantes e estabelecimentos comerciais ou perto da caixa registradora com o objetivo de atrair clientela.
     Quase todos são representados usando coleira vermelha com um sino pendurado, que dizem ser lembrança dos costumes do Período Edo (1603 – 1867). Época que o gato da raça “Bobtail Japonês” (nativo do Japão) era um animal de estimação muito raro e caro. As damas da corte agradavam seus bichanos colocando-lhes coleiras vermelhas feitas de “hi-chiri-men” (tecido de luxo da época) e pequenos sinos, usados com o propósito de vigiá-los.

História do Maneki Neko
Para descobrir a origem do Maneki Neko, é necessário analisarmos alguns comportamentos felinos. O gato é um animal tão sensitivo, que pressente a chegada de uma pessoa ou então quando uma chuva se aproxima.
Essas mudanças em sua rotina, o deixam inquieto. Então, ele começa a dar voltas ou esfregar sua face, pois esse tipo de comportamento tranquiliza-o. Daí surgiu a história de que se “o gato esfrega a face, é sinal de chuva ou de visita”.
A coleira vermelha com um sino tem origem nos costumes do período Edo (1603 – 1867), quando o gato era um animal de estimação dos aristocratas.
As damas da corte agradavam seus gatos, colocando-lhes coleiras vermelhas, feitas de chirimen (um tecido de luxo da época) com um pequeno sino.
Alguns Manekineko seguram um koban (uma moeda de ouro de formato ovalado do Período Edo). Porém, o koban verdadeiro vale apenas um ryo, e o koban do Manekineko representa dez milhões de ryo. Ou seja, trata-se de uma moeda fictícia para simbolizar a fortuna, a riqueza e a prosperidade.

Lendas Sobre a Origem do Maneki Neko

 Lenda do Templo Gotokuji
Existem muitas lendas sobre a origem do Maneki Neko e as razões dele ter se tornado um talismã para os japoneses. Uma das mais populares é a Lenda do Templo Gotokuji, ocorrido no início do Período Edo (1603-1867), sobre um sacerdote do templo Gotoku-ji, em Tóquio, que tinha um gato.
Apesar de não ser um homem de muitas posses, o sacerdote sempre compartilhava sua refeição com seu gato. Um dia, durante uma tempestade, um samurai se abrigou embaixo de uma árvore e ao olhar em direção ao templo, viu o gato do sacerdote que, aparentemente, parecia acenar para ele.
O samurai deduziu que o gato estava chamando-o para se abrigar no templo, e seguindo sua intuição, foi em direção ao gato. Instantes depois, um raio atingiu a árvore em que estava. Grato pelo gato ter salvado sua vida, o samurai fez do Templo Gotokuji, um local de culto de toda sua família.
O samurai também recompensou o sacerdote e ajudou o templo a prosperar. Quando o gato do sacerdote morreu, foi enterrado em um cemitério especial e como homenagem, uma estátua foi criada à sua semelhança, iniciando, assim, a imagem do gato de sorte que conhecemos atualmente.

 A Cortesã
Outra lenda a respeito do Maneki Neko conta a história de uma gueixa famosa do período Edo, chamada Usugumo, que tinha paixão por seu gato de estimação. Certa noite, seu gato começou a puxar insistentemente a bainha do seu quimono e por mais que ela o afastasse, ele voltava a puxar.

Um amigo espadachim, pensando que o gato estava enfeitiçado, cortou sua cabeça. A cabeça do gatinho voou em direção ao teto e matou uma serpente que estava pronta para dar o bote em Usugumo. Ela ficou arrasada com a morte de seu companheiro e para animá-la, um cliente fez uma estátua em forma de gato para presenteá-la, dando origem ao primeiro Maneki Neko.

A Senhora Idosa
Outra lenda popular sobre a origem do Maneki Neko, conta sobre uma idosa que tinha um gato que amava muito, mas que foi obrigada a vendê-lo devido à miséria extrema. Pouco tempo depois ele apareceu em seus sonhos e disse para a sua dona fazer uma estátua de barro com sua imagem e semelhança.
Ela assim o fez e posteriormente vendeu a estátua, conseguindo um pouco de dinheiro. Animada devido à esperança de sair da miséria em que se encontrava, a velha senhora resolveu fazer mais estátuas para vender, e depois de um tempo, sua vida tornou-se muito próspera, feliz e saudável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário